5 dicas para você parar de roer as unhas

O ato de roer as unhas é recorrente e não está relacionado com a faixa etária de uma pessoa. Os motivos para a prática mudam de acordo com o indivíduo, por exemplo, nervosismo, ansiedade, fome, insegurança, tédio ou até mesmo decepção.

Além disso, a onicofagia – termo técnico para o costume de roer as unhas – pode desencadear problemas psicossociais significativos e impactar de maneira negativa a qualidade de vida desse indivíduo. “A unha e a pele são nossa proteção contra bactérias e doenças externas, quando removemos uma cutícula, por exemplo, automaticamente estamos rompendo a proteção. Dessa forma, ficamos expostos a inúmeros perigos”, alerta Luzia Costa, fundadora da Beryllos, única rede de cuticularia do Brasil.

O vício pode provocar ainda graves problemas gastrointestinais como esofagite infecciosa, gastrite, entre outros, até prejudicar a dentição, a musculatura do maxilar e a articulação. Além desses, o ato de levar a mão à boca deixa a pessoa mais exposta a outras bactérias que podem desencadear doenças futuras, H1N1, diarreia, hepatite A, caxumba, rubéola, sarampo, etc.

A prática de roer as unhas é prejudicial para o corpo e mente. É necessário procurar ajuda de profissionais especializados para identificar o motivo da “compulsão” e as consequências. Pensando nisso, Luzia Costa, da Beryllos, lista cinco dicas – que ela sugere para suas clientes – para ajudar a controlar esse hábito corriqueiro.

Identifique os momentos que despertam a mania – Nada melhor do que o autoconhecimento. Saiba identificar o momento exato que desperta a vontade de roer as unhas. Esse é o primeiro passo para saber se o hábito está relacionado a problemas no trabalho, na vida pessoal, e assim por diante.

Roer as unhas é um alerta – Muitas pessoas associam a prática com a ansiedade. Estudos mostram que pode estar relacionado, mas que esse sentimento não é o único que desencadeia essa compulsão. Ansiedade, tédio, estresse, tristeza, tudo isso pode interferir de maneira direta no costume. Procure um médico ou especialista para fazer um acompanhamento.

Mantenha a boca ocupada – Mastigue um chiclete, bala ou algo do gênero, mudar o foco é importante principalmente em momentos de ansiedade ou incertezas. Quando estiver em uma posição difícil, respire fundo e tente controlar suas emoções.

Tenha um kit manicure por perto – Toda vez que você pensar em roer as unhas, tire da bolsa um “kit manicure”, use tesoura, lixas, etc. Com o hábito de lixar ou cortar, amenizamos a ação de roer. Tente manter sua mão longe da boca. Importante: Não compartilhe o seu kit com ninguém, isso pode acarretar em problemas futuros.

Hidrate a mão – Esse truque é ótimo. Mantenha sua mão hidratada, se possível, 24 horas por dia. Quando você sentir vontade de roer a unha vai lembrar que sua mão está com creme e a chance de finalizar a ação será mínima. Além disso, mantenha as unhas feitas, o que aumenta a chance de não levar a mão na boca para não estragar.

Hepatites podem ser ameaças em salões de beleza

Você sabia que as hepatites B e C podem ser transmitidas por um pequeno sangramento provocado pela retirada de cutículas? Um salão de beleza pode ser a porta de entrada desses vírus, por exemplo.

Conforme pesquisa realizada pela enfermeira Andreia Schunck, do Hospital Emílio Ribas, 81% das manicures e pedicures que atuam nos salões de São Paulo não estão devidamente protegidas. Cerca de 72% das profissionais desconhecem as formas de transmissão da doença.

Para mostrar alguns cuidados que devemos ter na hora de fazer a unha, levamos a enfermeira ao Studio W, referência em beleza no Estado. Confira:

 

 

Confira o que fazer para livrar o seu ambiente de trabalho das hepatites virais:

1. Lave as mãos com água e sabão líquido por, no mínimo, 40 a 60 segundos, antes e depois de atender cada cliente.
2. Use luvas descartáveis para cada cliente. Use-as apenas uma vez e troque-as ao terminar o atendimento.
3. Use materiais descartáveis: luvas, lixa para unhas e pés, palitos, protetores de plástico para cubas e bacias. Despreze os materiais descartáveis em recipientes resistentes à perfuração e com tampa.
4. Use toalhas individuais para cada procedimento. Uma toalha diferente deve ser usada para cada procedimento, mesmo que seja para o(a) mesmo(a) cliente. As toalhas descartáveis devem ser desprezadas após o uso. As de tecido devem ser lavadas e embaladas em saco plástico individual e guardadas em local limpo, seco e arejado até serem usadas novamente. Retire a toalha da embalagem plástica na frente do(a) cliente.
5. Esterilize seus instrumentos em autoclaves ou estufas: a esterilização é o processo que destrói todos os tipos de vírus, bactérias e fungos.
6. Utilizando uma luva de borracha, lave bacias e cubas com água e sabão líquido ou detergente após o término do atendimento de cada cliente.
7. Limpe adequadamente seus instrumentos de trabalho: alicates, espátulas, cortadores de unha, palitos de metal.
8. Mantenha os móveis limpos. A desinfecção do mobiliário deve ser feita com álcool 70%, após o atendimento de cada cliente.
9. Organize a rotina de limpeza. Todo estabelecimento de beleza pode elaborar um manual de rotinas e procedimentos realizados por manicures e pedicures, para facilitar o trabalho diário e garantir a segurança de todos os profissionais e clientes.
10. Alerta para a depilação. Para evitar a contaminação com sangue ou secreções, deve-se utilizar espátulas descartáveis, separar a cera em outro recipiente e descartar, em seguida, o que foi utilizado. No ato de desencravar os pelos, ou retirar a sobrancelha, recomenda-se que a pinça seja esterilizada ou do(a) próprio(a) cliente.
11. O ideal é que cada pessoa tenha o seu kit. Estimule os(as) seus(suas) clientes a levarem seus próprios instrumentos.

 

Fonte: http://www.portaldenoticias.saude.sp.gov.br/saloes-de-beleza-podem-ser-a-porta-de-entrada-das-hepatites-b-e-c

5 hábitos para o diabético ter qualidade de vida

Começar algo vai bem além de uma simples decisão. Alterar a rotina requer disciplina e quando se tem uma doença como a diabetes, seja qual tipo for, a urgência da mudança de hábitos se torna latente. Há muitas discussões sobre a importância de se alimentar adequadamente e praticar exercícios físicos com regularidade, porém outras ações simples também são necessárias como, por exemplo, observar os próprios pés, pois eles dão os primeiros sinais de que algo está errado. Fazendo esse exercício de observação é possível evitar problemas sérios para os diabéticos.

Quando a doença se agrava pode acontecer amputações dos membros e muitos diabéticos só percebem a gravidade dos sintomas após um estágio avançado. “Uma das principais causas de amputamento das pernas é a doença conhecida como pé de diabético. São feridas que podem virar úlceras ocasionando dor, vermelhidão e não têm chance de cura”, explica o chefe do grupo Pé Diabético de Ortopedia da Unifesp, Fábio Batista.

As úlceras nos pés, além de um problema sério para o paciente, envolvem alto custo e registram altos índices de mortalidade. No mundo já são mais de 600 milhões de pessoas que têm a doença, sendo 13 milhões no Brasil. Pensando nisso, e em como a profilaxia pode melhorar a vida de milhares de diabéticos, Luzia Costa, especialista em cuidados das mãos e pés, e criadora da rede Beryllos, cita cinco hábitos para melhorar a vida do diabético:

1. Atenção às unhas dos pés

O brasileiro tem o hábito de ir à manicure uma vez por semana. Este costume não é restrito apenas às mulheres, apesar delas serem o maior número nos salões. De acordo com o Ministério da Saúde, nesses 10 anos, o grupo mais atingido pela diabetes é o das mulheres. O índice saltou de 6,3% para 9,9%. E o perigo maior é que muitas delas continuam a cuidar dos pés com profissionais que não são especializados em pés de diabéticos. Não se pode retirar a cutícula das unhas e devem ser feitas apenas uma vez por mês com um aparelho adequado. Na Beryllos temos um micromotor exclusivo adaptado com uma broca desbastadora de cutícula que inibe um efeito invasivo nas unhas, por exemplo.

2. Se não conseguir inspecionar os pés diariamente: peça para alguém ajudar

O número de pessoas que moram sozinhas saltou de uns anos para cá. De acordo com o IBGE, brasileiros com mais de 60 anos e que não têm companhia, já são 15,7%. A diabetes não é restrita a apenas indivíduos com essa faixa etária, porém com o avanço da idade pode ser mais comum. Logo, não tenha vergonha de pedir a ajuda de vizinhos e colegas caso não consiga olhar os seus pés todos os dias. Este membro é o mais afetado pela doença e observar sinais como formigamento, rachadura no calcanhar e micose pode ser a “salvação” de um amputamento. Cuide dos seus pés!

3. Atenção aos sapatos utilizados

Use calçados sempre confortáveis e com meias, isso evita calos e feridas. Outra medida é, se caso o indivíduo opte por salto alto atenta-se a manter o limite de 3 centímetros. Há lojas especializadas em calçados confortáveis. Lembre-se: vale a pena custear em um produto mais alto, mas que acarretará em benefícios no dia a dia.

4. Use sabonetes de glicerina

Sim, você pode evitar que a sua pele crie casquinhas e feridas adotando o hábito simples de fazer sua higiene com sabonetes à base de glicerina. Isso porque esse composto é ideal para peles sensíveis devido a sua composição química, por possuir poucas toxinas e não causar nenhuma reação alérgica, além de manter a pele mais hidratada.

5. Evite o uso de secadores

Para as mulheres essa dica pode ser difícil de seguir, porém se você gosta do seu cabelo liso pode optar por uma progressiva no salão de cabeleireiro desde que inspecione os produtos que serão usados para o procedimento, e que não tenham contraindicação para diabéticos e circulação do sangue. O secador pode ocasionar feridas caso esteja muito quente, e isso pode acontecer sem que a pessoa perceba por ser um hábito diário que muitas vezes fazemos sem cuidado.

Veja quais são os cinco erros mais comuns em salões de beleza

Cuidar das unhas é um hábito nacional. Porém, o cuidado com a estética muitas vezes se sobressai a questões práticas que envolvem o ato de “fazer a unha”. Algumas mulheres se limitam a ter o zelo com o alicate esterilizado, no entanto há outros quesitos que precisam de atenção na ida ao salão de beleza, principalmente práticas que podem acarretar alguns problemas como, por exemplo, transmissão de algumas doenças sérias.

Atenta ao universo feminino e especialista na área de beleza e saúde das unhas, a fundadora da Beryllos, primeira rede de cuticularia do Brasil, Luzia Costa, lista 5 cuidados para se “inspecionar” na hora de ir ao salão e prevenir qualquer resultado indesejado. Confira:

1. Compartilhamento de esmaltes

É muito comum a precaução com o uso dos alicates e a maioria das pessoas leva o seu próprio material até o salão. Mas, o que muitas mulheres não sabem é que compartilhar os esmaltes também pode causar doenças sérias. A química deste produto não é capaz de eliminar as bactérias e fungos que podem existir após ter sido utilizado em unhas com algum tipo de doença como, por exemplo, a micose.

Para acabar com este risco, a Beryllos tem o cuidado de entregar um esmalte individual de 4ml. A cliente pode levar embora ou até mesmo descartar na própria unidade. Orientamos que procurem salões com essa prática ou levem seu próprio esmalte.

2. Reutilizar materiais

Para ter total segurança é necessário que materiais como lixas e espátulas de madeira sejam descartados a cada utilização. Porém, muitas profissionais, por questão de economia ou até mesmo por não possuir conhecimento, utilizam os mesmos para evitar desperdícios, o que é um erro muito grave. Outros itens como alicates, espátulas de metal, precisam de um cuidado especial na hora da higienização, devem ser lavados com produtos específicos para eliminar todo tipo de bactéria e alguns ainda necessitam passar pela autoclave. Exija materiais que não foram utilizados e que serão descartados na sua frente.

3. Uso de alicate

O maior vilão dos salões de beleza é o alicate! Responsável por transmitir doenças como verrugas e até mesmo a Hepatite C. O ideal é pedir para a profissional usar os materiais que você levar, mesmo correndo o risco de ela não estar acostumada com os utensílios. Ou ainda procurar salões que usem outras práticas para fazer as unhas. Lembre-se também de trocar o seu alicate periodicamente. Mesmo que ele esteja sendo utilizado só por você, pode conter alguma bactéria.

4. Retirar a cutícula

Como citamos acima, mesmo que o alicate seja visto como o grande aliado na hora de deixar as unhas bonitas, ele traz grandes perigos quando combinado com a prática de retirar a cutícula. Esta prática acaba com a proteção natural e aumenta as chances de contrair doenças, com os cortes que o alicate pode ocasionar. Além disso, é um procedimento que pessoas com algum problema de saúde, diabetes, por exemplo, não podem realizar. Por isso, aconselho a mudar este hábito que pode machucar, deformar as unhas e até mesmo transmitir doenças. Procure métodos como o que utilizamos na Beryllos, em que não é utilizado alicate, mas uma ponta desbastadora deixando o aspecto natural da cutícula, através do afinamento e polimento, cuidando da saúde e da beleza.

5. Esterilização correta

As profissionais precisam ter como meta principal a higienização dos materiais utilizados. Devem limpar, desinfetar e esterilizar. Porém, muitas vezes na correria esses três passos não são realizados ou, não são feitos de maneira adequada e podem causar alguns transtornos. O melhor é ter seu próprio kit, mas faça a limpeza toda vez que for ao salão para evitar possíveis contaminações.

SOBRE A BERYLLOS

A Beryllos, única rede de cuticularia do país, surgiu para mudar o conceito do mercado de “fazer a unha”, com o método de cutilagem que consiste em afinar e polir as cutículas com uma ponta desbastadora, mantendo a real proteção das unhas, sem o risco de cortes e machucados.

Outro grande diferencial são os serviços com luz intensa pulsada. Com o equipamento mais moderno e tecnológico que existe no mercado, a marca realiza procedimentos para rejuvenescimento da pele, fotodepilação, clareamento de olheiras e manchas, tratamento de rosáceas, acnes, rugas, entre outros.

O novo processo visa tanto o embelezamento, quanto a saúde das unhas das mãos e pés. Além disso, a rede conta com materiais totalmente descartáveis, esmaltes individuais (de 4ml), para prevenir possíveis problemas de saúde e uma linha completa de produtos exclusivos.

RECEBA NOVIDADES NO E-MAIL